RSS Feed
RSS Feed
Nov 29

Difusão de mensagens estratégicas nas redes sociais online: como circulou a #HSMEXPO11?

Posted Tuesday, November 29, 2011 on Uncategorized

Veja a seguir o segundo post de Ignacio García como Blogueiro da HSM

As redes sociais online (como Twitter, FacebookLinkedIn) apresentam enormes oportunidades e desafios para compreender como nos interconectamos na sociedade em rede e como difundimos informações por meio delas. Isto tem particular importância na hora de aumentar as possibilidades de sucesso de difusão de marcas de produtos, eventos ou movimentos sociais, entre tantos outros exemplos.

Segundo o evolucionista Richard Dawkins, as informações culturais, como as citadas acima, possuem capacidade de replicação similar à observada na evolução genética. Ele batizou estas unidades de informação cultural como “memes”.

Os memes circulam nas redes sociais (onlineoff-line) com maior ou menor sucesso de replicação. O que a era digital aporta nessa capacidade de difusão cultural inerente à nossa espécie é a hiperconexão, onde as informações viajam em maior volume, velocidade e interconectividade, tornando o mundo menor.

Desde o estado de espírito otimista de um usuário, até uma denúncia de violação dos direitos humanos, passando por um atendimento ruim no 0800, os aproximadamente 250 milhões de usuários do Twitter postaram, no mês de junho de 2011, uma média de 200 milhões de mensagens por dia, sendo o português a segunda língua mais utilizada. Estes dados expressivos reforçam a importância de compreender as redes de difusão de informações.

MAPEANDO A REDE DE PROPAGAÇÃO DE UM MEME: O CASO DA #HSMEXPO11

As hashtags são termos associados a uma informação que começam com o símbolo “#” e facilitam a identificação e difusão de mensagens na rede de microblogging Twitter.

Elas se difundem quando um usuário menciona a hashtag na sua mensagem (tweet) ou quando o republica (retweet), atingindo a sua rede de seguidores que, por sua vez, podem mencioná-lo/retuitá-lo na suas redes de seguidores e assim sucessivamente. Em poucos minutos, um conceito chave pode capilarizar-se surpreendentemente, tornando-se viral.

Existem diversos aplicativos que auxiliam na análise da difusão de mensagens no Twitter, mas eles não nos ajudam a entender as relações que se estabelecem na troca de informações: asredes, propriamente ditas.

Todavia, uma análise da interconectividade entre os tweets possibilita entender “quem é quem” nas redes de propagação e quais são os padrões que determinam o sucesso ou fracasso da mesma.

A metodologia que possibilita este tipo de análise relacional (que inclui tecnologias de análise e visualização, mas não se limita a elas) é conhecida como Análise de Redes Sociais, parte fundamental da Nova Ciência das Redes.

De todas as redes sociais que mapeamos sistematicamente nos ambientes online offline, algumas se apresentam mais complexas do que outras, mas todas nos indicam padrões de conectividade característicos que ajudam a adquirir conhecimento estratégico.

Na imagem a seguir, visualizamos um breve, mas rico, exemplo de mapeamento das redes de difusão da hashtag #HSMEXPO11, referente ao evento da HSM EXPOMANAGMENT 2011.

Deixo como desafio esta imagem para sua análise. Observem os padrões de conectividade que se estabelecem e o que isso nos indica, pois entendendo-os entenderemos a difusão de inovações no século XXI.

Share/Save/Bookmark

Nov 11

A descoberta do conhecimento estratégico no oceano complexo

Posted Friday, November 11, 2011 on Uncategorized

Veja a seguir o primeiro post de Ignacio García como Blogueiro da HSM

Pensadores da economia e da sociologia como Peter Drucker e Manuel Castells identificam o nosso tempo como a Era da Informação: período pós-industrial caracterizado pelas novas tecnologias de informação e comunicação (TICs).

Nesta era, por meio de uma evolução digital frenética que molda as nossas vidas cada vez mais em rede, indivíduos e organizações são diariamente bombardeados por mais dados do que podem absorver e interpretar.

Enquanto preciosas possibilidades de conhecimento estratégico subjazem os dados que nos circundam, sua massividade e interligação são tão complexas que muitos nem ousam aventurar-se nos seus tesouros ocultos. Todavia, navegar é preciso.

Não deixo de surpreender-me quando pesquisas  indicam que aproximadamente 90% dos dados disponíveis na web foram criados apenas nos últimos dois anos (!), e que 80% dos dados disponíveis são de natureza não estruturada. Uma fonte de informação (como a textual) tão rica quanto ambígua, que adiciona mais complexidade e incerteza à aventura contemporânea.

Esse fenômeno é consequência de uma sociedade interconectada, que deixa cada vez mais marcas, voluntárias e involuntárias, das suas interações cotidianas. Cada vez que realizamos uma ligação, usamos o cartão de crédito ou navegamos na internet, os nossos passos digitalizados são armazenados em algum servidor localizado em qualquer lugar do planeta, como silenciosas testemunhas dos atos cotidianos.

São sinais que possibilitam, pela primeira vez em grande escala, entender em profundidade o comportamento humano no seu contexto, ao mesmo tempo que nos faz refletir sobre as consequências éticas do encolhimento do mundo e a sua progressiva transformação em um big brother globalizado.

O DESAFIO DE NAVEGAR NA COMPLEXIDADE

No contexto empresarial, o cenário atual impõe o enorme desafio de navegar na complexidadedo ecossistema de negócio e suas redes de relações complexas, com o objetivo de descobrir conhecimento estratégico que suporte a tomada de melhores decisões em um tempo reduzido. Quem conseguir essa façanha poderá certamente descobrir oceanos azuis de maneiras minuciosamente planejadas.

Ansiedade e confusão são sentimentos cada vez mais comuns nos executivos de diversas áreas e segmentos, tal como mostra o Estudo Global com CMOs feito recentemente pela IBM. Este estudo menciona que 71% dos CMOs no mundo se sentem despreparados para lidar com a explosão de dados atual, sendo a sua principal preocupação a qualidade da interpretação para a tomada de decisões estratégicas.

Em maior ou menor medida, todas as áreas de uma organização compartilham esta preocupação contemporânea e, para preencher este gap de conhecimento é preciso ir ao encontro dos últimos avanços da Ciência das Redes e da Inteligência Artificial aplicadas às organizações. Duas áreas de crescente importância e que contam com um poderoso ferramental analítico e preditivo para os tempos que correm, sem deixar de mencionar a fundamental importância da condução e interpretação humana.

DA ERA DA INFORMAÇÃO PARA A ERA DO CONHECIMENTO

Em suma, precisamos transcender a Era da Informação e atingir a Era do Conhecimento. Para isso, devemos nos aventurar a navegar na complexidade utilizando sabiamente novas e velhas técnicas de exploração (exploration) dos dados e explotação (exploitation) do conhecimento; aprender a extrair conhecimento estratégico do mar de informações internas e externas (muitas vezes o próprio CRM ou o repositório da memória organizacional já representam um campo de informação inexplorado) e integrar nas nossas análises os ambientes onlineoff-line, uma vez que as fronteiras são cada vez mais porosas e interligadas.

Nos próximos posts (este é o primeiro de muitos), falarei sobre poderosas ferramentas e casos exemplificadores de como navegar na complexidade no mundo empresarial.  Até a próxima!

Share/Save/Bookmark